Educafro vai à Justiça contra agressão a jovens negros em shopping de Salvador

Dois jovens foram agredidos por seguranças e arrastados para fora do estabelecimento na segunda-feira

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rede Brasil Atual - Dois jovens negros foram agredidos, arrastados por seguranças e colocados para fora de um shopping em Salvador. O caso na capital baiana ocorreu na noite de segunda-feira (28), revelando, mais uma vez, o racismo estrutural no Brasil. A ação foi filmada por frequentadores do local. Frei David Santos, diretor-executivo da ONG Educafro, prepara ação na Justiça contra o estabelecimento.

“Estamos trabalhando hoje nesse processo. Queremos entrar na Justiça antes da virada do ano, contra o espancamento do nosso povo negro”, afirmou em entrevista ao Jornal Brasil Atual, nesta quarta-feira (30).

Além disso, ele também anunciou que deve ocorrer hoje nova reunião com os advogados do Carrefour. Representando a sociedade civil, a Educafro também entrou com ação contra o supermercado, após o assassinato de João Alberto Silveira Freitas, em Porto Alegre, no mês passado.

Frei David disse que espera concluir a assinatura com a rede varejista de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), visando a coibir práticas racistas nos estabelecimentos.

“Estamos prevendo que esse acordo com o Carrefour será o maior acordo jurídico de toda a história do Brasil, em números financeiros. O nosso grande sonho é que esse acordo funcione como uma orientação, como uma chamada de atenção para todas as empresas, para que elas se antecipem a fazerem a coisa certa. E não esperem que haja mais morte de irmãos como o Beto”, afirmou Frei David.

Balanço

O diretor da Educafro destacou a resistência no combate ao racismo, no Brasil e no mundo, no ano que se encerra. “2020 talvez tenha sido o ano em que o povo negro mais avançou em ser ele mesmo. Em não ter vergonha da sua história e de enfrentar toda a opressão”, afirmou. Por outro lado, destacou desafios para o futuro, como, por exemplo, exigir o cumprimento da Lei de Cotas no serviço público.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email